Página Inicial / Artigos / A memória de um amado Papa

A memória de um amado Papa

Não podemos ter medo de Cristo: eis a grande mensagem de São João Paulo II para a Igreja e para o mundo.

“O Senhor é minha luz e salvação, de quem eu terei medo?” (Sl 26, 1). Talvez nenhum outro versículo bíblico resuma tão bem o pontificado de São João Paulo II quanto esse.

Numa época em que o mundo vivia uma triste divisão, o Papa polonês cumpriu a tarefa de derrubar os muros da cortina de ferro, pregando o Evangelho para o homem moderno. Como vigário de Cristo e pontífice da Igreja universal, ele reconduziu as ovelhas perdidas de volta à grei do Senhor para, com humildade e confiança, abrir os confins dos Estados e sistemas políticos à voz do Bom Pastor.
Não, não podemos ter medo de Cristo. Era essa a grande mensagem de São João Paulo II para o mundo. No vídeo abaixo, escutamos a sua voz de Pastor confiar a própria vida Àquele que é o verdadeiro dono do rebanho, Àquele cuja face procuramos e que é a defesa de nossa vida. “A vossa face, Senhor, eu buscarei… Não me escondais a vossa face”, rezava o Santo Padre que, como disse o seu sucessor Bento XVI, “ajudou os cristãos de todo o mundo a não ter medo de se dizerem cristãos, de pertencerem à Igreja, de falarem do Evangelho”.
João Paulo II foi um verdadeiro soldado da Palavra de Deus. Nas suas muitas viagens pastorais, ele fez questão de denunciar a secularização e contrapor-se às ideologias anticlericais que ameaçavam roubar a fé e a identidade dos povos. Na verdade, a simples presença de João Paulo II em algum país, dizia o seu secretário Stanislaw Dziwisz, era o suficiente para “deixar em crise ideologias, fossem elas de uma tendência ou de outra” [1].
Um caso emblemático foi o da Nicarágua, em 1983, quando revolucionários sandinistas quiseram humilhar João Paulo II durante uma missa, empunhando imagens anticristãs. Nas palavras do cardeal Dziwisz, “o Santo Padre, praticamente sozinho, enfrentou o tumulto e fez frente aos provocadores” [2]. De fato, lembra Dzwisz, “foi inesquecível a cena em que os sandinistas agitavam suas bandeiras rubro-negras, enquanto ele [o Papa], de cima do palco, opunha-se a eles, levantando na direção do céu o báculo com o crucifixo na ponta” [3].

“Quando os malvados me atacam para me devorar vivo, são eles, meus adversários e inimigos, que resvalam e caem.” (Sl 26, 2) A vida de São João Paulo II foi toda confiada à providência divina e à maternidade sagrada da Virgem Santíssima. Por isso, o Santo Padre pôde anunciar destemidamente o Evangelho de Cristo e testemunhar a queda dos inimigos da cruz, que por tanto tempo perseguiram e ameaçaram a Igreja. No confronto entre a bandeira do Kremlin e a bandeira do Vaticano, cumpriu-se a profecia do Salmo 26; venceu o Coração de Cristo, como coroamento dos esforços de São João Paulo II para fazer do cristianismo o patrimônio mais sagrado da humanidade.
A memória de um amado Papa como São João Paulo II deve fazer repetir em nossos corações o seu mesmo brado do dia 22 de outubro de 1978: “Não, não tenhais medo! Antes, procurai abrir, melhor, escancarar as portas a Cristo”. Firmes nesta fé, os cristãos desta nossa época poderão testemunhar a vitória de Jesus sobre as hostes infernais que, embora pareçam insuperáveis, não têm nem jamais terão a palavra definitiva sobre o curso da história.

Referências
Stanislaw Dziwisz. Uma vida com Karol. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007. p. 106.
Id., p. 109.
Id., p. 110.

Fonte: https://padrepauloricardo.org/blog/a-memoria-de-um-amado-papa

Sobre Alexandre Mendes

Engenheiro Civil, Web Master

Você pode Gostar de:

Nossa Senhora do Carmo, uma das devoções mais antigas e amadas

No dia  16 de julho, celebramos a festa litúrgica de Nossa Senhora do Carmo. Uma …

Arquidiocese de Cuiabá celebra 192 anos de sua elevação a Diocese

Neste dia 15 de julho de 2018 a Arquidiocese de Cuiabá celebra 192 anos de …